Entre e confira!




sexta-feira, 20 de abril de 2012

quinta-feira, 15 de março de 2012

Pet Shop - questão de confiança

Você deve ter percebido o absurdo de novos pet shops que abrem todos os dias em diferentes esquinas do país, não é? Pois é, isso se deve ao elevado crescimento desse setor e a importância que os bichinhos de estimação, sejam eles, aves, roedores, coelhos, cães ou gatos, têm na nossa vida. 

Aí você pensa: "Que legal, agora tenho várias opções para levar o meu bichinho!" É exatamente daí que vem o engano. 

Pet Shop existe em qualquer lugar, mas o PET SHOP, esse sim, é difícil... Lembre-se que seu bichinho de estimação não merece qualquer estabelecimento, qualquer profissional, qualquer MÉDICO VETERINÁRIO (M.V.), ele merece muito mais, afinal de contas, ele é o seu melhor amigo.

Antes de levá-lo ao novo estabelecimento, procure se informar se o estabelecimento é legalizado perante  os órgãos de competência, se há MÉDICO VETERINÁRIO, se o mesmo se encontra no local, ou só de vez em quando, e se há o profissional de banho e tosa. Procure saber também se o estabelecimento está limpo e organizado e se há possibilidade de você acompanhar o banho e tosa do seu pet através de um vidro que separa este setor da sala de espera. IMPORTANTE: nenhum dono de animal deve ficar dentro deste setor enquanto há animais para a realização dos serviços, pois além de ser anti-ético e anti-higiênico, todos os animais que lá estão ficam altamente estressados na presença de estranhos, além disso  o tosador e/ou banhista acaba não produzindo como deveria.

A escolha de um pet shop é muito semelhante a escolha da escola do seu filho, tem que haver confiança  e respeito nos profissionais, nos medicamentos prescritos pelo MÉDICO VETERINÁRIO durante a consulta, nas orientações que o tosador e/ou banhista dão após a realização do serviço e nas vacinas éticas aplicadas  (sempre com carimbo e assinatura do M.V.). 

O valor dos serviços cobrados também é de suma importância. Desconfie se tudo é barato ou fácil demais. Trabalhar com animais não é uma tarefa fácil, exige-se muito amor, dedicação e, acima de tudo, competência para isso. Cachorro morde. Gato, além de morder, arranha e machuca muito os  profissionais deste segmento. Quando se cobra uma escovação de dentes ou a retirada dos nós do pelo, por exemplo, leva-se em consideração as consequências sofridas, e quem não cobra é porque não faz ou não faz direito. Uma vacina mais em conta e que você mesmo pode aplicar, não é vacina,  é enganação. Uma consulta ou uma tosa realizada rapidamente não é sinal de agilidade, mas sim de incompetência. 

Lembre-se, animal de estimação é para toda vida. Se você pode cuidar dele, então escolha locais confiáveis, só assim seu amigo poderá viver com tranquilidade e seu bolso agradecerá muito.

Dra. Renata Nonato
Médica Veterinária
Proprietária do Pet Shop Animais de Estimação







terça-feira, 13 de março de 2012

Doenças de pele

DERMATOPATIA é o nome dado a todas as doenças de pele e de qualquer origem. Acometem animais de todas as espécies, raças e idade. Entre os cães, os mais suceptíves são os Poodles, York Shires, Sharpeis, Bull Dogs. Pit Bulls e os SRD.

As origens são variadas, podendo ser por ácaros (sarnas de diferentes tipos), fungos (e seus diferentes tipos), bactérias, alergia alimentar, alergia a produtos domésticos ou de higiene pessoal, ectoparasitos (pulgas, piolhos e carrapatos) e até o fator climático influencia! 

Somente o MÉDICO VETERINÁRIO pode diagnosticar a doença com um exame específico, o Raspado Cutâneo (R.C.). Não existe diagnóstico apenas no olhar, como muitos "olheiros" o fazem, pois os sinais e sintomas se confundem muito e para cada caso existe uma medicação específica.

O  R.C. é um exame onde o MÉDICO VETERINÁRIO coleta material da pele do paciente para ser avaliado ao Microscópio Eletrônico (M.E.). O resultado é rápido e 100% eficaz. A partir desse resultado, começa-se o tratamento, que varia de animal para animal. O período do tratamento também varia de acordo com o grau e o tipo da doença, e nunca deve ser interrompido, somente após a alta médica. 

Os ácaros encontrados neste exame geralmente são as sarnas do tipo Sarcoptes sacabiei e Demodex sp. A primeira é uma zoonose, doença transmitida do homem para o animal e vice-versa. A segunda, pode ser transmitida ao animal através da hereditariedade, ou seja, se um dia os pais, ou os avós, ou os bisavós tiveram a doença, o paciente poderá também manifestá-la em alguma fase de sua vida.

A maioria das causas de dermatopatias originadas por fungos (dermatomicoses), são provenientes de fatores climáticos, como o nosso clima quente e úmido de Belém (PA), onde ou chove todos os dias ou o dia todo e isso propicia ambientes muito úmidos que acabam provocando a doença.

IMPORTANTE: as doenças causadas por ácaros e fungos, podem ser transmitidas por contato direto (animal doente- animal sadio) e indireto (ambiente), por isso, escolha os locais para levar seu pet para passear.


A invasão bacteriana na pele ocorre, na maioria das vezes, como uma doença secundária, ou seja, a pele do paciente tá tão lesionada pelos agentes, que favorece essa invasão. O tratamento se dá por antibioticoterapia, prescrita somente pelo MÉDICO VETERINÁRIO.

Caso o R.C. der negativo, deve-se investigar a origem da doença através do histórico do paciente e encontrar a melhor forma de tratamento.

 Sarcoptes scabiei
Paciente com dermatopatia.

Lembre-se: toda doença de pele tem um tratamento, basta você ter paciência e respeitar a orientação do seu MÉDICO VETERINÁRIO. Sempre compareça aos retornos marcados por ele e NUNCA mude uma medicação por conta própria, pois a doença pode piorar.


Dra. Renata Nonato
Médica Veterinária
Especialista em Dermatopatias
CRMV 1760


segunda-feira, 12 de março de 2012

Vermifugação e vacinação

O filhote nasceu!!!! Uhuuuuu!!!!! Quem você tanto esperava, finalmente veio a vida! E agora? O que fazer? Bom, primeiro, você deve esperar esse filhotinho desmamar da mãe (um período de 30 dias), para depois, levá-lo a um MÉDICO VETERINÁRIO de sua confiança, que irá te orientar sobre cuidados, manuseio, alimentação, espaço, higiene, etc.

Quando o filhote completar 30 dias de vida, deve-se começar o esquema de vermifugação, ou seja, a ingestão de medicamentos para matar as vermes que são passadas de mãe para filho, através da placenta ou do leite materno, caso a mãe não tenha sido vermifugada antes de cruzar. Este procedimento só deverá ser feito sob orientação do MÉDICO VETERINÁRIO. A dose é de acordo com o peso do animal e, dependendo da finalidade do medicamento, é dado em dose única (aquela que repete com 15 dias) ou em 3 dias consecutivos (Giárdia). 

A dose de reforço, obrigatoriamente, deve ser dada a cada 3 meses, sempre de acordo com o peso do animal. É importante não repetir a mesma medicação toda vez, pois os ectoparasitos (vermes) podem criar resistência ao medicamento.


Aí você me pergunta: " dra. Pet, meu pet é adulto e nunca foi vermifugado, o que devo fazer?" E eu respondo: "a mesma coisa" . Começar um esquema de vermifugação, como se ele fosse um filhote e fazer o reforço a cada 3 meses de acordo com seu peso.


Somente seu MÉDICO VETERINÁRIO poderá te orientar sobre qual o melhor remédio a ser dado, e isso vale para cães, gatos, aves, roedores, coelhos, enfim qualquer espécie.


Bom, seu filhote já foi vermifugado, então vamos a primeira vacina (múltipla) que é dada aos 45 dias de vida. Se o pet for maiorzinho, é dado após a vermifugação.


A segunda fase consiste no primeiro ciclo de vacinação, aquele em que o animalzinho em questão, cria imunidade para reagir com a vacina e produzir anticorpos que irão defendê-lo contra as viroses e a leptospirose. Este ciclo de contato dura de 2,5 a 3 meses, para cães e gatos (coelhos, aves e roedores não precisam tomar a vacina) e após passar essa fase, deve-se fazer o reforço contra as viroses e a leptospirose a cada 6 meses e contra a raiva a cada ano, para o resto da vida. NUNCA interrompa a vacinação do seu pet!


Esquema vacinal para cães e gatos (primeiro ciclo)

  • Três doses da múltipla (protege contra as viroses, em cães e gatos, e contra a leptospirose em cães), com intervalos a serem marcados pelo MÉDICO VETERINÁRIO;
  • Uma dose da anti-rábica (em cães e gatos). 
  
Ciclo permanente   

  • A cada 6 meses, uma dose de reforço da múltipla
  • A cada ano, uma dose de reforço da anti-rábica.

O importante é você sempre ter em mente que não importa a raça e a idade do seu pet, os procedimentos acima serão os mesmos para todos e, periodicamente, leve-o para consultar com um MÉDICO VETERINÁRIO, somente ele poderá responder suas dúvidas com segurança.

Dra. Renata Nonato
Médica Veterinária
CRMV 1760


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Temos para todos os gostos!!!!!

Sanitário para cães



Acabaram seus problemas: sanitário para cães. Funciona mesmo! Temos para fêmeas e machos.